Farley Rocha

Este é um artigo ou crônica pessoal de Farley Rocha.
Não se trata de uma reportagem ou opinião do Portal Espera Feliz.

O forasteiro de primavera

Disposto a ganhar de assalto os espaços da cidade e impor a quem quer que fosse sua personalidade marcante, o forasteiro seguiu pela rua do centro...

Foto: Farley Rocha.

Quando todos da cidade já nem se lembravam mais dele, absortos em pormenores e interesses cotidianos, ele reapareceu como um forasteiro sem direção.

Era início de noite e, determinado a se infiltrar em Espera Feliz feito um espião que chega sem alarde, surgiu sorrateiro vindo do Morro da Canoa, desceu discretamente as calçadas da Reta e se camuflou entre as árvores ao longo da avenida. Anônimo, transitou por quem petiscava nas mesas do Coffee Beer e os que bebericavam taças sob os toldos da Casa Mari.

Ao chegar no cruzamento próximo ao Seminário, sondou em silêncio os passantes na porta dos comércios, os que entravam e saíam dos prédios e lojas, os que jogavam sinuca no bar do Ataíde. Quem retornava do trabalho também não deu por sua presença, nem os motoristas dirigindo com vidros abertos. Adolescentes conectados ao wi-fi da Açaiteria não perceberam quando ele passou. Somente o vira-latas que dobrava a esquina pressentiu que o forasteiro rondava por perto – num gesto instintivo, recolheu o rabo entre as pernas.

Mais adiante, marchou invisível entre os que comiam hambúrguer e churrasquinho nos quiosques do Calçadão, sem ser notado pelos que atravessavam a faixa de pedestres. Nem o blindex das vitrines das boutiques capturou seu reflexo. Caminhou flutuante como um fantasma por entre os carros, invadiu o passeio público por entre gente e placas de trânsito, e imprimiu seu espectro fluido em frente às drogarias e lanchonetes – mas ninguém percebeu sua passagem.

Disposto a ganhar de assalto os espaços da cidade e, no tempo certo, impor a quem quer que fosse sua personalidade marcante, o forasteiro seguiu pela rua do centro esquivando-se dos faróis e da claridade dos postes, cruzou a rotatória da avenida Roque Ferreira, flanou pela larga calçada em frente à Prefeitura, desviou-se dos refletores do Morro da Igreja. Apenas a imagem de São Sebastião, na torre da Matriz, o viu passar lá embaixo – enquanto o sino badalava como se anunciasse seu inesperado retorno.

Até que atingiu à Praça Cira Rosa de Assis, passando anônimo pelos que namoravam nos bancos e muretas, provocando arrepios às moças indo para a faculdade, observando de relance os viajantes na rodoviária. Num aceno inconsciente de desagrado por sua chegada, o rapaz que fumava à porta do Bar Central cruzou os braços.

Antes que todos atinassem por seu regresso, o forasteiro ainda seguiria oblíquo pela avenida Beira Rio espreitando de longe os que batiam papo no guarda-corpo das pontes. Em seguida atravessaria toda a extensão da Major Pereira – desde os botequins e mercearias da parte baixa ao Centro Espírita do José Chagrinha. Depois ganharia os bairros Santa Cecília, João do Roque e João Clara, onde crianças de pé no chão batiam bola nas ruas sem movimento.

É que o forasteiro vinha lá dos confins da serra, onde permanecera exilado durante os últimos meses entre as montanhas inóspitas do Caparaó selvagem. Por aqui, sua presença despertaria aplausos e repúdio – pois, para alguns, possuía o charme dos anti-heróis de cinema; para outros, a inconveniência rude das visitas indesejáveis.

Até que na Vila Raquel, perpendicular aos casarões da Américo Vespúcio de Carvalho, o forasteiro enfim se revelou. Ao se dar conta de que ele bisbilhotava sua casa, uma senhora correu para fechar as janelas. Com a atenção voltada para a janta no fogão, ela exclamou:

– Já é quase fim de ano e este vento frio insiste em passar por aqui…!

É que em Espera Feliz o inverno sempre chega em estações incertas, desde às manhãs ensolaradas de abril às noites chuvosas de alto novembro – como um forasteiro gelado e cinza em plena paisagem colorida de primavera.

Por Farley Rocha.

Sobre Farley Rocha

Farley Rocha é professor, fã do Radiohead e do Seu Madruga. Já plantou uma árvore, escreveu um livro e edita o blog http://palavraleste.blogspot.com


Enchente

Prefeitura de Espera Feliz encerra atividades pós-enchente no Seminário

Segundo a prefeitura, todas as famílias já voltaram para suas casas.

Solidariedade

Elias, do “Forrozuá”, doa acordeon para o Ronaldinho

Músico de rua havia perdido seu instrumento na enchente.

Notícias

Espera Feliz é referência na produção de cafés especiais

Agricultores familiares de Espera Feliz viram referência na produção de cafés especiais.

Paulo Faria

O politicamente incorreto na sociedade brasileira

Este texto contém palavrões, é politicamente incorreto, ofensivo, contêm ironias, sarcasmo, está recheado de generalizações e, portanto, não é recomendado para pessoas sensíveis, justiceiros sociais, patrulheiros ideológicos, ativistas, militantes e mimizentos em geral.

Farley Rocha

São Sebastião

Por ser Santo, simplesmente ilumina. Por isso, sabe que os tambores da Major Pereira à sua frente, as orações quase-meditação do Centro Kardecista à direita e os cânticos de louvor da Presbiteriana à sua esquerda são diferentes canais de um mesmo fluxo ecumênico.

Publieditorial

Autoescola Globo inova e provas teóricas serão eletrônicas

Alunos agora farão simulados e as provas de forma eletrônica.

Pricila Magro

O que a enchente arrancou de nós?

Alguns objetos estavam ali ocupando um espaço desnecessário e demandando uma energia inútil de nós.

Enrique Natalino

A Reconstrução de Espera Feliz

Com confiança, trabalho, fé e energia, os esperafelicenses reconstruirão a sua cidade tijolo por tijolo, ainda mais unida, solidária e forte.

Solidariedade

Cantor Anderson Freire visita Espera Feliz e traz doações para as vítimas da enchente

Artista gospel trouxe camas e fogões para doar às vítimas.

  • Plano Assistencial Familiar Vida

    Rua João Alves de Barros, 277
    Centro - Espera Feliz - MG

    (32)3746-1431

    Plantões
    (32) 98414-4438 / (32) 98414-4440

Clique aqui e veja mais

Portal Espera Feliz