Lançamento de “Uísque Barato”, novo single da banda Help Rock, de Espera Feliz

Num bate-papo descontraído, os integrantes da banda esperafelicense Help Rock falam sobre sua atuação na cena roqueira da região da Serra do Caparaó, projetos futuros e do lançamento de seu novo single, “Uísque Barato”.

É domingo de tarde e estou sob a sombra do frondoso pé de fícus da Praça da Bandeira, sentado à mesinha redonda ao lado da banca de jornal. Enquanto aguardo pelos integrantes da Help Rock para falarmos sobre música, shows e trabalhos autorais, observo o chafariz com suas luzes de natal, o Hotel Montanhês com sua fachada de 1940 e as plataformas da antiga estação ferroviária com seu movimento habitual. Já que a entrevista é sobre o lançamento de Uísque Barato, o mais recente single da banda, não haveria lugar mais adequado para o encontro. Pois esta parte da cidade, onde o Bar Central resiste solidamente ao tempo, foi o primeiro centro boêmio que Espera Feliz já teve.

Enquanto rascunho perguntas no meu bloco de notas, aproxima-se de mim o jovem Lukas Lugão, estudante de Letras de 23 anos de idade e vocalista da banda. Ao dividirmos a primeira cerveja desta tarde, junta-se a nós o professor de Física Tiago Vanini, 27 anos, baixista. Em seguida chega Dhuan Rocha, Contador, 32 anos de idade e quase vinte de guitarras. Logo depois, completa o quarteto Rodrigo Periard, 23 anos, baterista e microempresário na cidade vizinha de Caiana.

Embora tenham vivências e atuações profissionais distintas, percebo que todos eles partilham de uma mesma experiência: além de terem na música uma fonte de prazer, enxergam nela um importante sentido para a vida. Por isso, entre acenos e cumprimentos aos que transitam pelas calçadas ensolaradas, iniciamos a entrevista falando exatamente da origem da banda. “Em 2016 comecei a fazer voz e violão com um amigo em barzinhos e eventos. Mas com a saída do meu parceiro, convidei o Dhuan pra me acompanhar nos shows”, explica Lukas. Poucos meses depois formaram um trio com um amigo percussionista. Mais tarde, com a chegada de Tiago Vanini em meados de 2017, resolveram formar a banda. “De lá pra cá, decidimos fazer da música muito mais que um hobbie. Investimos em tempo de ensaio, aprimoramento técnico e composições próprias”, esclarece Dhuan enquanto descansa uma garrafa de puro malte sobre a mesa.

E esta dedicação acabou dando bons resultados. Apenas em 2018 foram 47 shows realizados em onze cidades de três estados diferentes: Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Mas foi em novembro do ano passado que o nome Help Rock emplacou na região, quando ganharam o 1º lugar do concurso Acorde no Caparaó, promovido pelo Armazém Caparaó, no distrito capixaba de Pedra Menina. “Durante os três dias de festival, concorremos com outras 7 bandas, sendo que 20% do julgamento era por voto popular e o restante por júri técnico”, explica Dhuan com seu jeito didático de falar. De acordo com Lukas, outro grande momento da banda foi durante a Exposição Agropecuária de Espera Feliz deste ano, onde se apresentaram para um público de aproximadamente sete mil pessoas. Foi nesse período que houve a substituição de bateristas, com Rodrigo assumindo as baquetas.

Na visão dos bastidores, Lukas explica que desde o começo a repercussão dos shows tem sido bastante positiva. Para o público, esta calorosa recepção se deve, em grande parte, ao comprometimento do quarteto. Apesar dos compromissos profissionais externos, eles sempre arranjam tempo para os ensaios. “Sem deixar a diversão de lado, tentamos conduzir a banda com profissionalismo, tanto no estúdio quanto nos palcos”, comenta Tiago, deixando subentendido que a ideia é levar o projeto a sério. Já a outra parcela de popularidade se deve à coerência do repertório. Com covers e versões que vão de Metallica e Audioslave a Cazuza e Engenheiros do Hawaii, os shows da Help Rock agradam tanto à velha-guarda roqueira quanto aos fãs da nova geração. “Nosso repertório é versátil. O principal critério é tentar surpreender o público, desde os clássicos nacionais e internacionais ao Indie Rock”, explica Dhuan, que prefere se abster de rótulos para definir a banda.

Quanto às influências do grupo, Rodrigo Periard revela que, como os integrantes trazem os próprios gostos pessoais, a setlist é sempre diversa e rica de referências. “É como um quebra-cabeças: cada um dispõe de uma peça para o repertório”, explica o baterista, que desde cedo ouve rock’n roll por influência do pai.

E justamente essa diversidade é que dá corpo ao trabalho autoral da Help Rock. Seu primeiro single, Noite Fria, lançado em agosto no Armazém Caparaó, conta com uma sonoridade trabalhada e atual. A letra apresenta traços de poesia neogótica e evoca imagens sombrias sobre sonhos, solidão e saudade. A alternância entre dedilhados e distorções de guitarra contribui para uma ambientação que, de forma progressiva, passa do tom melancólico à euforia com certa dose de revolta. A potência aveludada dos vocais de Lukas traz dramaticidade ao significado dos versos. Agora, a Help Rock promove sua segunda composição própria, lançada no dia 22 de novembro. “Com a nova música tentamos explorar um universo mais reflexivo, o sentimento de quem busca uma fuga, um refúgio das pressões e problemas cotidianos. O “uísque” do título é uma metáfora do desejo de se alcançar uma vida plena, longe das angústias”, divaga Dhuan, quem assina a autoria da letra.

A julgar pelo que se ouve no refrão – eu quero parar de pensar/quero que amanheça/quero uísque barato e dor de cabeça – é possível perceber um grito de liberdade, um soco no estômago do tédio e da ansiedade. Principalmente por trazer no arranjo solos ásperos de guitarra e um vocal agressivo e escrachado. “Embora na música transpareça certa aflição, ela tem uma pegada mais despojada, como quem procura paz e diversão”, elucida Tiago, que imprimiu acordes mais graves à marcação do contrabaixo.

Como música é assunto de território vasto, entre uma pergunta e outra a conversa desliza para outras direções. É quando lembramos da tradição roqueira que Espera Feliz sempre teve. Embora a cena local ainda seja modesta, a cidade possui um histórico de bandas que, no passado, atenderam à demanda de público desse gênero. Provavelmente a precursora foi a Sinal Vermelho, surgida por volta de 1990. De lá para cá vieram a Sub Zero, Us Kara, Aneurysm. Sr. Ramon, Sinopse Rock, e outras. Hoje, dividindo espaço com as atuais GoodFellas, Guerreiros Urbanos, Rizzi, Mesa 4 e Manu, uma das que ocupa esta lacuna é a Help Rock.

Segundo a opinião do quarteto, o conjunto desempenha um importante papel para a cultura de Espera Feliz, pois fortalece a cena musical da cidade, além de mostrar que o rock’n roll permanece vivo e forte até mesmo nos grotões do país. “Por isso o nome ‘Help Rock’”, explica Dhuan, “um socorro para quem curte o estilo e não se contenta com músicas pré-fabricadas como aquela”, apontando para a porta do Bar Central onde uma caixa de som toca tecnobrega. Cautelosos em não soarem arrogantes ou audaciosos, revelam sonhar voos mais distantes. “Por isso estamos empenhados em nossas próprias composições. Em 2020 pretendemos lançar um EP, ou, dependendo, até um álbum completo”, adianta Lukas, demonstrando entusiasmo com o futuro da banda.

Enquanto tomamos a saideira e arrematamos a entrevista que durou cerca de uma hora e meia, o quarteto esboça uma discreta satisfação por fazer um trabalho honesto e estar recebendo um compensador reconhecimento. Por onde tocam, vão conquistando aos poucos uma pequena legião de admiradores que os acompanham nos shows. Além disso, as redes sociais da banda estão com cada vez mais seguidores. “Nosso objetivo é satisfazer o público com músicas de qualidade. Assim, quanto mais nos apresentarmos, mais estaremos levando o nome de Espera Feliz e todo o potencial que a região da Serra do Caparaó possui, como o turismo e a cultura”, assevera de forma otimista Dhuan.

Pouco antes do anoitecer, fazemos uma foto para a publicação da matéria, guardo meu bloco de anotações no bolso e me despeço do grupo. No Bar Central, a caixa de som continua rolando tecnobrega – mas, à medida em que me distancio, fico na torcida para que a próxima música seja Uísque Barato, desta promissora banda Help Rock.

* * *

Ouça abaixo Uísque Barato.  Até o dia 13 de dezembro a música estará disponível em todas as plataformas digitais da banda:

Ouça aqui o primeiro single, Noite Fria:

Por Farley Rocha.


Chuvas

Chuvas causam alagamentos em Espera Feliz e região

Rios transbordaram e várias ruas foram alagadas.

Paulo Faria

O politicamente incorreto na TV brasileira nos anos 80 e 90

Houve um tempo em que nossos canais de TV eram os principais veículos de comunicação. Foi um tempo em que o limite era não ter limites e isso nos presenteou com programas épicos, cenas clássicas e momentos “absurdos”.

Pricila Magro

Por trás da capa vermelha

Não importa a história da Chapeuzinho que você vier a ler, o Lobo Mau não é ovacionado, ou transformado em celebridade.

Farley Rocha

E aííííí?!

Em meio à boemia de cidade pequena, sua presença nos cativa o mesmo efeito de uma joia rara.

Política

Deputados fazem protesto sentados em rodovia de Carangola

André Janones e Cleitinho Azevedo cobram DER por rodovia afundando.

Paulo Faria

A Hipocrisia do Ativista

O ativista é um pé no saco politicamente correto.

Farley Rocha

Crônica de Ano Novo

Da descoberta primitiva do fogo à invenção sofisticada da pólvora, é o tempo o senhor dos homens e do universo.

Publieditorial

VALE APENA: um novo conceito em padaria em Espera Feliz

Ambiente para quem procura produtos de alta qualidade, conforto, bom atendimento e requinte.

Farley Rocha

O amigo que se vai

O amigo que se vai nos deixa muito mais que uma palavra, uma história ou um aperto de mãos.

  • Plano Assistencial Familiar Vida

    Rua João Alves de Barros, 277
    Centro - Espera Feliz - MG

    (32)3746-1431

    Plantões
    (32) 98414-4438 / (32) 98414-4440

Clique aqui e veja mais

Portal Espera Feliz