O português Seu Domingos

Seu Domingos era o tipo de sujeito “ora pois!” (com som de “x”). Um português de sangue, de terra e de pensamento. De si, pouco ou nada dizia, mas falava muito sobre as coisas, sobre o mundo.  Era já velhote. Sabia da vida e por isso falava, debaixo do seu sempre boné de pano axadrezado. […]

Publicado em 24/02/2012 - 10:00    |    Última atualização: 24/02/2012 - 10:00
 

Seu Domingos era o tipo de sujeito “ora pois!” (com som de “x”). Um português de sangue, de terra e de pensamento. De si, pouco ou nada dizia, mas falava muito sobre as coisas, sobre o mundo.

 Era já velhote. Sabia da vida e por isso falava, debaixo do seu sempre boné de pano axadrezado. E o casaco, pra frio da Europa, mesmo quando o sol cascava ele usava. Cumprimentando ia por onde a bengala o levava.

Já sua mulher era brasileira. Do mesmo povo o qual Seu Domingos, após anos de samba e manga madura, de certa forma nunca conseguiu traduzir completamente para sua cultura de mesmo idioma – é que o azul dos seus olhos eram mais lusos que os nossos.

Em sua locomoção curta nos sapatos sem cadarço, ia e vinha tartarugando pelas ruas. Mas quando parava com um era só “ora pois!”, falava e falava. Para ele sempre havia um par de ouvidos. Tagarelava e não caducava.

Um dia soube que Seu Domingos era poeta. Já desde Portugal da época em que se aprendia Camões na escola. Galanteou por lá seus versos e por cá veio dando-lhes voz junto ao eco da serra. Originais que mantiveram até o sotaque.

Continua após a publicidade...

Recitava sonetos a pedido, no meio da calçada mesmo, e dos seus óculos de aro grosso costumava lançar olhares mudos sobre as colinas, o céu e os meninos que brincavam na rua. Depois, fraseava pensamentos que lhe ocorriam, tipo:

“– Olhas, filho, o que muitas vezes sentes de belo não está nem sempre além-mar. Basta tu olhares por cá que verás o manifesto do amor, dos sonhos e de tudo o mais. Teu redor é preenchido por uma parte da vida a qual tu não vês, mas que faz te sentires bem como se visitasse a alegria. Isto, filho, é poesia puríssima.”

*
Seu Domingos, com sua bengala e seus versos, era muito mais que um simples “ora pois…”

 

* * *

Farley Rocha, fã do Radiohead e do Seu Madruga, nasceu em 1982 e mora na cidade de Espera Feliz, interior de Minas. Professor por formação e poeta por obsessão, mantém o blog palavraleste.blogspot.com, espaço aonde publica seus textos e outras insanidades literárias.


  • SRª GERCY LIMA DA SILVA

    ✰01/01/1937     ✞29/11/2021

    O corpo está sendo velado no(a) CAPELA MORTUÁRIA DO PLANO VIDA COM INICIO AS 09:00HS DA MANHA DO DIA 30/11/2021 e será sepultado às 14:00 horas do dia 30/11/2021 no cemitério SÃO JOÃO BATISTA, em ESPERA FELIZ

  • Plano Assistencial Familiar Vida

    Rua João Alves de Barros, 277
    Centro - Espera Feliz - MG

    (32)3746-1431

    Plantões
    (32) 98414-4438 / (32) 98414-4440

Clique aqui e veja mais