Paulo Faria

Este é um artigo ou crônica pessoal de Paulo Faria.
Não se trata de uma reportagem ou opinião do Portal Espera Feliz.

Um canalha é sempre igual a outros canalhas

Artigo de Paulo Faria.

Publicado em 24/12/2019 - 12:53    |    Última atualização: 24/12/2019 - 12:53

Atualmente tem circulado um termo muito em voga pra designar cidadãos que são lambe-botas de políticos: gado. O PT e Lula têm seus gados; Ciro Gomes têm seus gados; Bolsonaro têm seus gados; o partido NOVO têm seus gados. Gado é gado e ponto final.

Em Minas Gerais houve uma reviravolta na política em 2018 quando um ‘outsider’ – Zema – triunfou sobre seus oponentes intitulados sob a alcunha de “velhos políticos”. Cansados de serem expropriados, os mineiros deram uma chance a um candidato que se apresentava como “novo”; que “fugia” à velha regra dos políticos tradicionais. E por ser um candidato que vinha da iniciativa privada, teve-se a convicção quase unânime entre os eleitores que deram uma chance ao candidato Zema de que tal se comportaria com isonomia, prezando pela administração correta e igualitária no que diz respeito à administração pública, etc. Mas não foi bem isso que vem acontecendo.

Zema se rendeu ao lobby e continuou parcelando os salários dos servidores públicos de forma desigual que vinham sendo escalonados desde 2016 pelo antigo governador, Pimentel, porém, continuou fazendo distinção de classes privilegiando a Segurança e Saúde em detrimento dos funcionários da Educação e outros setores: funcionários da Segurança e Saúde recebem em duas parcelas enquanto os demais servidores recebem em três. 

Certo, o Estado está em crise, mas o correto seria tratar todas as categorias de forma igual, mas não foi o que aconteceu sob o governo do homem que se dizia combater os privilégios. Perguntado pela imprensa sobre uma data prevista para o pagamento do décimo terceiro salário dos servidores de Minas, Zema saiu com uma resposta a lá Bolsonaro: “Perguntem aos Bancos”. Acontece que os eleitores mineiros não votaram nos Bancos. 

Como se não bastasse o tratamento diferenciado entre as categorias do funcionalismo público, uma notícia do jornal Estado de Minas do dia 24 de novembro de 2019 soa como um escárnio: “Em relação à compensação de perdas inflacionárias desde 2015, o governo apresentou o seguinte calendário para a recomposição salarial: 13% na folha de julho de 2020; 12% na folha de pagamento de setembro de 2021; e 12% na folha de pagamento de setembro de 2022. No encontro com o secretário de Planejamento, Otto Levy, o governo se comprometeu também a pagar integralmente o abono fardamento na folha de abril do próximo ano”. Ou seja, além de acabar com o escalonamento dos salários dos servidores da segurança pública o governador reajustará os salários dos mesmos em 37% em três anos. Isso mesmo: 37%. Não que os agentes da lei não mereçam, mas ironicamente, num post feito pela página do Facebook do partido NOVO no mesmo dia 24, falava-se sobre a valorização da Educação. Conversa fiada. Aqui em Minas, entre outros, os funcionários da Educação estão com perdas inflacionárias há anos, mais burocracia, péssimas condições de trabalho, e o senhor governador resolve fazer lobby com determinados setores.

A conclusão é: no Brasil um político sempre será um péssimo político, e não importa se o dito cujo veio da iniciativa privada ou do inferno. Um canalha sempre será igual a outros canalhas.

Por Paulo Faria.

Sobre Paulo Faria

Paulo Faria é um amante do cinema de horror e rock ‘n’ roll. É professor por formação, humorista por conveniência e escritor por aspiração.


Coronavírus

Prefeitura de Espera Feliz libera abertura do comércio

Decreto manteve restrições somente para alguns tipos específicos de negócios.

Enrique Natalino

Redes sociais em tempos de pandemia

A população está preparada para lidar com esse mundo digital? Sabe distinguir notícias e análises aprofundadas de Fake News?

Farley Rocha

25 coisas para se fazer na quarentena

Em termos biológicos, cada vitória conquistada sobre uma doença é um degrau a mais que alçamos no templo da evolução.

Sylvia Dimittria

Uma pausa forçada à sociedade do cansaço

O homem que se transformou numa máquina de performance teve que mudar o modus operandi.

Coronavírus

Espera Feliz tem primeiro caso suspeito de Coronavírus

Informação foi confirmada pela Secretária Municipal de Saúde.

Coronavírus

Editorial: as reais dimensões da crise do coronavírus

Neste momento, é vital estarmos todos bem informados e passando informações corretas a diante.

Coronavírus

Espera Feliz ainda não registrou casos suspeitos de Covid-19

Secretaria Municipal de Saúde ainda não registrou nenhuma ocorrência de caso suspeito.

Coronavírus

Coronavírus: Espera Feliz restringe comércios e suspende circulação de ônibus na cidade

Decreto municipal traz inúmeras determinações para tentar conter a transmissão do Coronavírus.

  • Plano Assistencial Familiar Vida

    Rua João Alves de Barros, 277
    Centro - Espera Feliz - MG

    (32)3746-1431

    Plantões
    (32) 98414-4438 / (32) 98414-4440

Clique aqui e veja mais

Portal Espera Feliz