Como está a saúde econômica do Brasil?

O Brasil encontra-se em uma profunda recessão que se iniciou em 2014 e deve continuar em 2018.

Publicado em 02/10/2017 - 08:57    |    Última atualização: 02/10/2017 - 08:57

A saúde econômica do Brasil encontra-se em situação de grave risco. Comparando com uma enfermidade do ser humano, arrisco-me dizer que o Brasil está como um paciente que sofreu um forte AVC (Acidente Vascular Cerebral). Momentaneamente perdeu os sentidos, não consegue expressar corretamente e não consegue caminhar com passos firmes.

O Brasil encontra-se em uma profunda recessão que se iniciou em 2014 e deve continuar em 2018. Trata-se de um longo período de estagnação, de queda de renda per capta, aumento da taxa de desemprego, recuo do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,6% e previsão de déficit fiscal de R$ 156 bilhões de reais em 2017. É uma das piores recessões econômica da história do país.

Além da federação, estados e municípios se veem apertados. A lógica é que, com menos atividades no mercado, também há menos arrecadação de impostos e contribuições federais, o que contribui para uma deterioração das contas públicas e, consequentemente das Políticas Públicas destinadas à melhoria da qualidade de vida do povo brasileiro.

Melhoras do paciente, somente a partir de 2019. Mas com uma condição: tem que cumprir fielmente as receitas do doutor. Dietas, fisioterapias, caminhadas.

Nossa grande frustração, talvez seja pelo motivo desta estagnação econômica e esgotamento da capacidade fiscal do país terem suas origens do mal-estar social e de conflitos e equívocos políticos.

Mas então qual seria a receita para a recuperação econômica? Segundo um estudo da Fundação Ulysses Guimarães Qualquer ajuste de longo prazo deveria, em princípio, evitar aumento de impostos, salvo em situação de extrema emergência e com amplo consentimento social. A carga tributária brasileira é muito alta e cresceu muito nos últimos 25 anos. Em 1985, data da redemocratização, os impostos representavam 24% do PIB. Neste mesmo ano, nos Estados Unidos, a carga tributária era de 26%, um pouco acima da nossa. Na Alemanha, era de 36% e na Inglaterra, 38%. Em 2013, nossa carga tinha saltado para 36% do PIB, enquanto nos Estados Unidos ela baixara para 25%, na Alemanha subira para apenas 37% e na Inglaterra, caiu para 33%. Ou seja, todos os países relevantes e bem-sucedidos mantiveram ou mesmo baixaram os impostos em relação à renda, enquanto o Brasil aumentou os impostos cobrados da sociedade em 50%. A Coreia tem hoje uma carga de 24% e o México, 20%. Isto mostra que chegamos claramente a um limite para a cobrança de impostos. Taxar mais as famílias e as empresas, transferindo seus recursos para o Estado, parece ser algo disfuncional e danoso para a capacidade de competição do nosso setor produtivo”.

Para recuperarmos nosso paciente, precisamos tomar medidas desagradáveis a muitos políticos e servidores que estão no controle do país. Para enfrentar tal enfermidade teremos que mudar leis, normas constitucionais, diminuir consideravelmente o poder dos gestores, instituir limites razoáveis para os salários e aposentadorias dos servidores públicos e impor mecanismos efetivos de monitoramento, controle e avaliação da máquina pública. Outra medida importante, seria fortes investimentos em estudantes, pesquisadores e microempreendedores. Uma crítica é que, não adianta nada investir no programa espacial brasileiro e deixar milhares de escolas públicas sucateadas. Da mesma forma, não adianta nada dar créditos e benefícios tributários a multinacionais e não dar chance nenhuma aos pequenos empreendedores para desenvolverem seus negócios e gerarem empregos para os quase 20 milhões de desempregados do Brasil.

No próximo artigo, conversaremos sobre a reforma tributária e discutir até que ponto a nova CLT contribuirá com o equilíbrio fiscal do país.

Fonte:
Fundação Ulysses Guimarães. Uma Ponte Para o Futuro.

Portal de Notícias G1. Alexando Martello. Disponível em:  https://g1.globo.com/economia/noticia/mercado-ve-deficit-fiscal-de-r-149-bilhoes-em-2017-e-estouro-da-meta.ghtml

Por Nilton Martins.


Coronavírus

Prefeitura de Espera Feliz libera abertura do comércio

Decreto manteve restrições somente para alguns tipos específicos de negócios.

Enrique Natalino

Redes sociais em tempos de pandemia

A população está preparada para lidar com esse mundo digital? Sabe distinguir notícias e análises aprofundadas de Fake News?

Farley Rocha

25 coisas para se fazer na quarentena

Em termos biológicos, cada vitória conquistada sobre uma doença é um degrau a mais que alçamos no templo da evolução.

Sylvia Dimittria

Uma pausa forçada à sociedade do cansaço

O homem que se transformou numa máquina de performance teve que mudar o modus operandi.

Coronavírus

Espera Feliz tem primeiro caso suspeito de Coronavírus

Informação foi confirmada pela Secretária Municipal de Saúde.

Coronavírus

Editorial: as reais dimensões da crise do coronavírus

Neste momento, é vital estarmos todos bem informados e passando informações corretas a diante.

Coronavírus

Espera Feliz ainda não registrou casos suspeitos de Covid-19

Secretaria Municipal de Saúde ainda não registrou nenhuma ocorrência de caso suspeito.

Coronavírus

Coronavírus: Espera Feliz restringe comércios e suspende circulação de ônibus na cidade

Decreto municipal traz inúmeras determinações para tentar conter a transmissão do Coronavírus.

  • Plano Assistencial Familiar Vida

    Rua João Alves de Barros, 277
    Centro - Espera Feliz - MG

    (32)3746-1431

    Plantões
    (32) 98414-4438 / (32) 98414-4440

Clique aqui e veja mais

Portal Espera Feliz