Farley Rocha

Este é um artigo ou crônica pessoal de Farley Rocha.
Não se trata de uma reportagem ou opinião do Portal Espera Feliz.

Um discurso de casamento

Porque o amor, muito mais que um afeto, é um ato de gratidão.

Publicado em 20/06/2018 - 16:34    |    Última atualização: 20/06/2018 - 16:34
 

Foto: Andrea Rosemberg.

Há que se falar sobre o amor em casamentos, sim! Mas não sobre aquele amor reduzido a um par de alianças, a vestidos e grinaldas ou a decorados votos matrimoniais. Este amor, além de piegas e previsível, é também perecível e lugar comum para qualquer amante.

Palavras bonitas, presentes e carinhos são necessários para manterem alinhadas as pessoas que se amam. Mas nada disso sequer se aproxima da verdadeira natureza do amor. Com toda a sua força e ímpeto de luz, o amor original, o literalmente “amor” é aquilo que nos transforma a tal ponto que nos faz enxergar no outro não a parte que nos falta, e sim o quanto do outro habita em nós.

E casar-se por amor, este mesmo que transborda oceanos e bombardeia cometas no céu do nosso peito, nos faz perceber que somos felizes não apenas por sermos amados, mas também por sabermos que amar alguém é sentir-se completo por inteiro.

Contudo, por mais visceral e vertiginoso que seja esse amor de paixão ardente e coração pulsante, mais cedo ou mais tarde – se for mesmo para ser AMOR – ele revelar-se-á com todo o seu peso e tramas de difícil compreensão. É o amor dos maduros, o que vem depois dos prazeres, o que sobra depois dos deveres. É o amor cheio de espinhos e amarras que requer perícia para manuseá-lo. O amor que fere se mal compreendido pelos mais sensíveis, mas que também é capaz de abrandar a brutalidade dos que se acham invencíveis. Um tipo de amor que nos faz realmente mais humanos.

E este não é o amor dos versos de poetas, o amor das frases feitas ou o amor cantado nas mais belas canções. Não. Todos esses são falsos – ou não são inteiramente reais. Amor, amor de verdade não é aquele dos roteiros românticos de cinema ou enredos dos clássicos literários.

O amor que sobrevive a tormentas e naufrágios da rotina é o que nos faz mais fortes diante do mundo e das adversidades da vida. O amor do cotidiano, edificado dia após dia, é o que nos impulsiona para o alto e nos faz perceber melhor quem somos, com nossas fragilidades e limitações, mas também com nossas virtudes e coragem. Só esse amor de verdade é capaz de nos tornar humildes para percebermos que do outro aprendemos mais do que ensinamos. Pois amor é lição de vida. E amar é praticar o que foi aprendido.

Por isso, no casamento – não apenas hoje, mas para todo o sempre – façamos do amor a nossa prece diária e de todo “eu te amo” o mesmo gesto quando se diz “amém”. Porque o amor, muito mais que um afeto, é um ato de gratidão. A mais religiosa forma que temos de demonstrar ao outro o quanto somos melhores com sua existência.

Por Farley Rocha.

Sobre Farley Rocha

Farley Rocha é professor, fã do Radiohead e do Seu Madruga. Já plantou uma árvore, escreveu um livro e edita o blog http://palavraleste.blogspot.com


  • Plano Assistencial Familiar Vida

    Rua João Alves de Barros, 277
    Centro - Espera Feliz - MG

    (32)3746-1431

    Plantões
    (32) 98414-4438 / (32) 98414-4440

Clique aqui e veja mais